O primeiro Gripen E da FAB no seu voo inaugural. (Foto: Linus Svensson / Saab)

A Saab completou hoje um bem-sucedido primeiro voo com o primeiro caça Gripen E Brasileiro.

Às 14h41 (horário de Linköping; 9h41, horário de Brasília), em 26 de agosto, o Gripen E, designado 39-6001, decolou em seu voo inaugural, conduzido pelo piloto de testes da Saab, Richard Ljungberg. A aeronave operou a partir do aeródromo da Saab em Linköping, na Suécia.

A duração do voo foi de 65 minutos e incluiu testes de manobrabilidade e qualidade de voo em diferentes altitudes e velocidades. O principal objetivo foi verificar que o comportamento da aeronave estava de acordo com as expectativas.

“Este marco é um legado para a grande parceria entre a Suécia e o Brasil. Menos de cinco anos após a assinatura do contrato, o primeiro Gripen Brasileiro alçou seu primeiro voo”, disse Håkan Buskhe, Presidente e CEO da Saab.

Este é o primeiro Gripen brasileiro produzido e será utilizado como aeronave de testes no programa de ensaios em voo. A principal diferença em comparação com as aeronaves de teste anteriores é que o 39-6001 dispõe de um cockpit com layout totalmente novo, com a tela panorâmica, chamada Wide Area Display (WAD), dois pequenos Head Down Displays (sHDD) e um novo Head Up Display (HUD). Outra relevante diferença é um moderno sistema de comando de voo (do inglês flight control system – FCS) com atualizadas leis de controle para o Gripen E. Ele também inclui pequenas modificações no hardware e no software.

“Como piloto, foi uma grande honra voar o primeiro Gripen E Brasileiro, pois eu sei o quanto isso representa para a Força Aérea Brasileira e todos da Saab e de nossos parceiros brasileiros. O voo foi tranquilo e a aeronave se comportou exatamente como ensaiamos nas bancadas de testes e nos simuladores. Esta também foi a primeira vez que voamos com o Wide Area Display no cockpit e estou feliz em dizer que minhas expectativas foram atendidas”, disse o piloto de testes da Saab, Richard Ljungberg.

A aeronave 39-6001 irá se juntar ao programa de testes conjunto para futura expansão de envelope, assim como ensaio dos sistemas táticos e sensores.

Na Força Aérea Brasileira, a aeronave será designada F-39 e terá a matrícula FAB 4100.

Anúncios

15 COMENTÁRIOS

    • Pelo que eu já li a respeito, essa camuflagem pixelizada confunde a percepção de distância/profundidade do objeto.
      Apesar da maior parte de que vi a respeito tratar sobre uniformes militares, essa tecnologia também vem sendo usada em aeronaves, veículos militares e até navios.
      Além do efeito visual que tende a distorcer a imagem real, vem sendo utilizado misturas de tintas de alta tecnologia que servem para confundir até sensores eletro-óticos gerando imagens completamente diferentes no espectro infravermelho.