O primeiro caça F-16V no seu voo inaugural realizado no dia 16 de outubro, em Fort Worth, Texas. (Foto: Randy Crites / Lockheed Martin)
O primeiro caça F-16V no seu voo inaugural realizado no dia 16 de outubro, em Fort Worth, Texas. (Foto: Randy Crites / Lockheed Martin)

A Lockheed Martin concluiu com êxito o primeiro voo do F-16V, o mais recente e avançado F-16 atualmente no mercado. O voo do dia 16 de outubro marca a primeira vez que um F-16 voou com o avançado radar de varredura eletrônica de matriz ativa (AESA) APG-83 Scalable Agile Beam Radar (SABR) da Northrop Grumman, que vai oferecer um salto quântico na capacidade para o venerável F-16.

A configuração dos aviônicos avançados do F-16V “Viper” também inclui um Center Pedestal Display no cockpit, um computador de missão modernizado, um barramento de dados Ethernet de alta capacidade, e vários outros sistemas de missões melhorados que adicionam em conjunto capacidades de combate significativas para enfrentar os ambientes de ameaças dinâmicas emergentes nas próximas décadas.

“Este vôo é um marco histórico na evolução do F-16”, disse Rod McLean, vice-presidente e gerente geral da Lockheed Martin no Grupo Integrado de Caças F-16/F-22. “A nova configuração F-16V inclui inúmeras melhorias projetadas para manter o F-16 na vanguarda da segurança internacional, fortalecendo sua posição como melhor caça do mundo dentre os modelos provados em combate de 4ª Geração.”

O F-16V, uma opção tanto para F-16 recém fabricados como para upgrades em caças F-16 em operação, é a configuração de próxima geração que alavanca uma infra-estrutura de sustentação comum em todo o mundo e oferece melhorias significativas de capacidade de forma mais acessível, num caça multi-função provado em combate.

O radar de controle de fogo AESA APG-83 SABR da Northrop Grumman fornece uma capacidade de radar de 5ª geração tanto ar-ar como ar-terra. A Northrop Grumman também fornece radares AESA para o F-22 Raptor e o F-35 Lightning II.

Com mais de 4.550 F-16s entregues até esta data, o F-16V é um passo natural na evolução do caça de 4ª Geração mais bem sucedido do mundo.

Anúncios

28 COMENTÁRIOS

  1. E se o Brasil tivesse adquirido o F-16 umas duas decadas atras?

    • Caro Jackson,

      Agora estaríamos brigando para os F-16 conseguirem um MLU. 🙂

  2. Isso prova o sucesso do avião, não é atoa de ele chegar na versão V, que avião em?

    • Sem dúvida é um ótimo avião, mas chegou na versão V por causa da enorme quantidade de células em uso.

  3. O que é mais interessante para um operador de F-16 que precisa renovar a sua frota? Comprar Gripen NG ou uma versão modernizada de um produto que existe, tem peças pra tocar pra cima e é testado em combate???

    • Eu sou mais um F16 block 60 dos Emirados que o Gripen NG, não que o NG seja inferior, não é, mas é gosto ahahah

  4. Essa sim seria a melhor opçao para esse pais chamado Brasil, iria cair como uma luva.

  5. Uma oferta irrecusável!
    O operador pode atualizar ou comprar um novo!
    VIDA LONGA AO F-16.

    • Caro ufric,

      É bom lembrar que não são todos os F-16 que podem ir para esse upgrade. Deve ser do Block40 para frente.

      []'s

      • Se não me engano, o 'A' e 'B' são incapazes de crescimento, um 'pepino' que Taiwan e a Venezuela estão tendo. Os taiwaneses (ou Formozenses) só vão conseguir uma MLU meia-boca.

  6. Amigos,

    Nada conta o Viper. Mas o fato é que essa aeronave já está no seu limite evolutivo… Falo não de sistemas eletrônicos, mas das limitações inerentes a sua concepção, baseada em requisitos dos anos 70…

    Claro que é de se supor que em mais de 90% dos casos, o Viper deverá bastar. Mas isso é pensando em cenários para essa ou próxima década…

    Entendo que o acesso a sistemas SAM de grande performance está cada vez mais fácil… Uma bateria com três veículos do Buk M2 protegida por outra de três veículos de Pantsir, por exemplo, pode chegar a custar o preço de cinco F-16 block 60, sendo que mesmo este poderoso Viper necessitaria de caras armas standoff de grande alcance e em quantidade para saturar e destruir um sistema desses… E mesmo assim, ainda existe a chance de alguma UT sobreviver e buscar um "pato" que entrasse no seu setor…

    E pior: há também a possibilidade de uma grande disseminação de armas como o S-300 e HQ-9… Os sistemas russos e chineses dessa categoria em particular, não são essencialmente caros ( creio que uma bateria completa do HQ-9, por exemplo, custaria hoje algo como 400 milhões de dólares ); ainda mais se levarmos em consideração o empecilho que um sistema assim pode se tornar a qualquer força aérea bem equipada. Esses sistemas também estão se tornando cada vez mais resistentes a ECM, fazendo uso de radares de diversos tipos e que trabalham em diferentes bandas e frequências.

    Enfim, se tivermos a consciência da quantidade de armas necessárias para se destruí-los/neutraliza-los, além da possibilidade de se ter que adentrar ao menos marginalmente o circulo defensivo dessas redes para se poder alveja-los, então já se torna evidente que o F-16, uma aeronave limitada nos artefatos que pode carregar, será uma arma menos adequada para enfrentar essas modernas defesas projetadas para estarem plenamente funcionais entre 2025/2030 em muitos países considerados medianos… E considerando que não será todo mundo que terá um B-2 Spirit ou Tu-160, ou contará com Tomahawks em quantidades excêntricas pra resolver tudo, então o serviço terá que ser feito pelo melhor caça o possível…

    Em suma, a baixa detectabilidade das aeronaves de caça de geração 4.5 e quinta geração será sinônimo de sobrevivência frente a defesas cada vez mais avançadas e que podem desafiar as aeronaves a alcances cada vez maiores, permitindo operações contra elas com maior grau de segurança…

    • É a evolução continua, em 1974, com as análises tiradas da Guerra do Yon Kipiur, concluíram que em 2 semanas de guerra convencional entre OTAN e Pacto de Varsóvia, a aviação ocidental seria destruída. Uma década depois o avião já estava bem à frente dos SAM's.
      Quanto ao RC do F-16, lembro que a Força Aérea Grega afirmava que o Mirage 2000 tinha a metade do RC do F-16. Deve ser o bocal da turbina muito exposta.

  7. Depois do F-14, o F-16 é um caça sensacional, é o segundo da minha lista sem dúvidas.

  8. Acho que isso explica Pq a USAF escolheu o F-16 ao F-20. Queria ver como o F-5 modernizado iria ter capacidade e espaço para recebe tantos upgrades, ou menor dizendo: não ia!
    Será que eles estão aceitando um contrato recém assinado de Gripen NG como parte do pagamento ??? Hehehehe

    • A incapacidade de crescimento foi uma das justificativas do não da USAF (que para as unidades Agressoras foi um tiro no pé) para não comprar o F-20. Mas atentem, que o F-16 também não foi projetado com capacidade de crescimento, ao contrário do YF-17/F-18. Não é a toa que o apelido do Falcon é Remendão

      • Mas ainda assim cresceu, embora tenha esse apelido fantastico.
        Como se explica isso?

  9. Com orçamentos cada vez menores.

    Ainda tem gente que acredite que o NG vai ser sucesso de vendas com um leque de atualizações do Falcon tão amplo ?

    Quem não puder pagar pelo F35..

    Vai reformar o que tem e está ai mais uma opção..

    Também pode passar no Walmart do AMARG pegar os usadões e fazer um refurbish..

    NG a preço de Rafale, só o Brasil vai pegar..

    Jóinha para FAB, PT e blogueiros que faturaram apoiando esta patacoada.

    • Como se o F 35 fosse algo de bom… pq o Canadá esa largando ele ? Pq a Australia tem duvidas w Pq todo mundo esta hesitando ? Pq nao esta em serviço ? pq querem reduzir as encomendas ? Pq no proprio Pentagono as criticas ao aviao nao param ??

      Nao, isso não é culpa do PT.

      Pq

  10. a Realidade bateu as portas ate mesmo da Lockheed, que parece reconhecer que o F 35 nao será esse caça OTAN universal que eles queriam.

    O F 35 é caro, desengonçado, desastrado, inoperante. E ainda mais caro. Uma hora de vôo sai por milhoes de dolares, e nao pode voar sem cobertura, ou em condições climaticas ruins. Ah e necessita de cobertura aérea… grande !! 400 Bi para isso ???

    Vejam esse F 16, um avião magnifico, de eficácia comprovada, com os melhores sistemas. Uma bela atualização, eu sempre disse que valia mais a pena modernizar os vetores de 4ª geração do que gastar trilhões com a quinta geração.

    Até pq eles ja tem B 2 e F 22, o F 35 era desnecessario.

    Com um custo beeem menor, pode-se atualizar os vetores existentes, que continuarão dando conta.

    Os Sukhoi na Síria na estao sendo um sucesso ?? Os americanos, em suas campanhas assassinas da decada de 90 ate hoje, tambem nao ??

    Tem alguma coisa que a 4ª geração se mostrou incapaz de fazer ???

    Bota AESA, vetora, sensor disso e diaba quatro, pronto. Vc vai ter um caça excepcional por um preço razoável.

    Continuo afirmando : a 4ª geração, modernizada, vai dar conta pelos próximos 20 ou 30 anos. Sem problema nenhum.

    • Só faltou um detalhe…

      O desenvolvimento tecnológico precisou caminhar..

      E o F16 ficou no passado. Quem tem F16 e não pode pagar por um avião moderno, 5G tem mais uma opção de atualização.

      Todo este seu discurso é porque os seus ídolos russos vivem de recauchutar o Flanker da década de 70 ?

      • Meu discurso baseia-se em fatos, e os russos seguem fazendo um caça de 5ª geração tambem, entao eu nao poderia xingar a 5ª geração com base em nacionalidades.

        E, falando de recauchutar caças, qual é a base de USAF ?? F 35 ?? não.

        é o F 15, F 16, A 10 e F 18. Na hora do quebra pau quem mantem o Imperio Americano são esses vetores. O F 22 nao fez nada, somente o B 2 foi util.

        Quando sua querida Usaf tiver os tao sonhados 3000 F35s, vc pode vir replicar, ok ??

Comments are closed.