Air Force of Zimbabwe - Hongdu K-8 Karakorum Light Attack and Jet Trainer Aircraft
Air Force of Zimbabwe – Hongdu K-8 Karakorum (Foto: Gary Shephard)

Na manhã do dia 23 de abril, uma aeronave de treinamento e ataque leve Hongdu K-8 Karakorum caiu no Zimbábue.

O acidente ocorreu durante uma sortida de treinamento.Os pilotos conseguiram se ejetar com segurança e passam bem.

A aeronave caiu numa área desabitada nas cercanias da cidade de Gweru, a poucos quilômetros da Base Aérea de Thornhill, onde fica sediada a Escola de Formação de Pilotos da Força Aérea do Zimbábue (AFZ).

Uma comissão foi formada para investigar as causas do acidente.

FONTE: Zimbabwe Defence Forces, Bulawayo24 – EDIÇÃO: Cavok

IMAGEM: Meramente ilustrativa

Anúncios

14 COMENTÁRIOS

  1. A Força Aérea do Zimbábue usa caças turbofan para treinamento, enquanto em Terra brazilis usam o ST.

    • Pois…
      Tem até blogs aeronáuticos defendendo abertamente a tente de que os LIFT não são mais necessários, quanto mais…

      Aiai!

      • Neste caso, eu me pergunto o porquê da EMBRAER não firmar uma join com a AirMacchi e fazermos por aqui mesmo alguns M-346.

          • Li que declaração de que com a modernização do F-5, a Embraer "passou a conhecer melhor" a estrutura dele que o fabricante, acredito que não esta fora da expertise adquirida em sua história projetar e construir um treinador/ LIFT.

  2. Off Topic… Acho que merece um post…

    Yisrael ataca a Síria, e atinge alvos do Hezbollah em al-Qalamoun.

  3. Parece um daqueles aviõezinhos de gira gira daqueles parques de diversão bem fuleros… mas pro Zimbábue ta bom…

  4. Exato. Esse é o meu questionamento. Vão comprar 36 Gripen de última geração e treinar pilotos com teco-teco hi-tech? Não tem cabimento.

  5. Amigos,

    Acredito que, além de treinar pilotos, um LIFT também pode auxiliar a manter a proficiência de uma força aérea e com custos reduzidos.

    Esquadrões de caças poderiam ter ao seu lado uma seção de LIFTs, com os quais compartilhariam o uso em missões de adestramento, dando uma folga aos elementos principais ( reduzindo custos e poupando as células de maior desempenho ).

    Ao serem dotados de cockpit igual ao caça, o LIFT pode simular fielmente o meio para o qual o piloto se adestra. Aliás, as aeronaves de treino avançado disponíveis hoje no mercado são especificamente preparadas para simular as características de aeronaves mais pesadas, incluso as possíveis configurações. Lançamento de armas, combate próximo, combate BVR… Tudo pode ser simulado. E o que considero mais importante: em velocidade subsônica, que é onde ocorrem o grosso dos combates, onde se puxa Gs e se fazem as manobras típicas. Enfim, creio que tudo isso poderia dotar o piloto de considerável experiência; coisa que simulador nenhum vai prover…

    Outro fator, com relação a aeronave de caça, seria dotar a força de um número maior de biplaces, deixando os monoplaces apenas para as ações ou treinos bastante específicos.

  6. Se eu fosse piloto, jamais voaria em um caça chines operado por países desse naipe.

  7. Toda vez que vejo noticia sobre esse karakorum, eh sobre acidentes com o mesmo

Comments are closed.