A Boeing está oferecendo caças F/A-18E/F para o Canadá. (Imagem ilustrativa)

A Airbus e a Boeing podem desistir de uma competição para fornecer ao Canadá novos caças pois a disputa estaria injustamente favorecendo a Lockheed Martin, disseram duas fontes com conhecimento direto da situação à Reuters na segunda-feira.

As três empresas que competem com o caça F-35 da Lockheed Martin já reclamaram sobre a forma como a competição está sendo realizada, e expressaram preocupação de que algumas das especificações favorecem claramente a empresa norte-americana, disseram fontes da industria nas últimas semanas.

Na semana que vem, o governo deve divulgar o pedido de propostas – a lista final de requisitos – para os 88 novos caças que o país pretende comprar. O contrato vale entre C$ 15 bilhões e C$ 19 bilhões e os aviões devem ser entregues entre 2025 e o início da década de 2030.

A Boeing e a Airbus agora formalmente escreveram para Ottawa expressando preocupação com os requisitos atuais, disseram duas fontes familiarizadas com o assunto, que não quiseram ser identificadas, dada a sensibilidade da situação. O quarto licitante é a Saab da Suécia.

Os requerimentos do Canadá estariam favorecendo o caça F-35A. (Imagem ilustrativa)

Pat Finn, principal funcionário do Ministério da Defesa encarregado das aquisições, confirmou que uma das quatro empresas enviou uma carta formal, mas não deu detalhes. O pedido final de propostas deve sair em 17 de julho e modificações ainda estão sendo consideradas, disse ele.

Continuamos a engajar todos os quatro“, disse ele em entrevista por telefone. “Tivemos alguns comentários (como) se mudanças não forem feitas em tal lugar então francamente, consideraríamos possivelmente não fazer lances”.

Estamos levando essas questões muito a sério. Não posso dizer que faremos todas as mudanças mas até onde sabemos, continuamos a ter quatro concorrentes na corrida.

A Airbus se recusou a comentar. A Boeing não respondeu a um pedido de comentário.

A Saab está oferecendo caças Gripen E. (Foto: Saab/Linus Svensson)

O Canadá vem tentando sem sucesso há quase uma década comprar substitutos para seus caças F/A-18 Hornet. Em maio, o país mudou as regras para permitir que a Lockheed Martin enviasse uma oferta, levando a Boeing a dar o passo incomum de anunciar publicamente que estava surpresa.

Qualquer um que não seja a Lockheed Martin expressou uma visão muito forte“, disse uma das fontes. “Temos sido bem claros com o governo que isso não é um pedido de propostas que favorece a nossa participação”.

Pelo menos uma empresa manifestou a infelicidade de que os requerimentos enfatizem a capacidade de realizar primeiros ataques contra alvos no exterior, um ponto forte do F-35, disseram as fontes.

A Airbus está oferecendo caças Eurofighter Typhoon para o Canadá. (Imagem ilustrativa)

O governo do primeiro-ministro Justin Trudeau insiste que a competição não é manipulada. Finn disse que o Ministério da Defesa também fez alterações nos requerimentos a pedido da Boeing, Airbus e Saab.

O Canadá faz parte do consórcio internacional que desenvolveu o F-35. A ex-administração conservadora disse em 2010 que compraria 65 dos caças, mas depois descartou a decisão, provocando anos de atraso.


FONTE: Reuters

Anúncios

4 COMENTÁRIOS

  1. Este Justin Bieber é um esquerdista de verdade pagando mico. Primeiro rechaçou o F-35 por pura birra e agora estabeleceu condições para facilitar sua vitória ante os concorrentes, e insiste que não há manipulação.
    Nada mais óbvio que o Canadá comprar um caça no qual tem sua bandeira estampada na fuselagem como participante do projeto. Será uma discrepância se tal não ocorrer.

  2. As verbas estão curtíssimas em quase todos os países.
    Só quem está gastando mais são os EUA (à base de endividamento),a China (que ainda tem recursos) e a Rússia (com os pés no chão)..
    O resto, fica nessa 'pechicharia' para comprar meia dúzia de aviões e que abusa até da paciência dos leitores .