Caças Rafale e Typhoon em formação. (Imagem ilustrativa)

Uma semana antes do show aéreo de Paris, o chefe da divisão de aviões militares da Airbus Defense & Space convidou a França a participar do desenvolvimento de um novo sistema de armas aéreas proposto pela Alemanha e Espanha para suceder o Eurofighter Typhoon.

Realmente espero que a França esteja envolvida“, disse Fernando Alonso, chefe da divisão de aviões militares da Airbus Defense & Space, no dia 9 de junho. “Temos que fazer isso na Europa. Não há lugar para fazer dois ou três sistemas diferentes“.

O objetivo de um único programa de caça europeu surgiu há 25 anos, mas a Alemanha e a França seguiram diferentes caminhos: a Alemanha se juntou à Itália, à Espanha e ao Reino Unido para desenvolver o Typhoon e a França desenvolveu o Dassault Rafale.

Em desenvolvimento de caças anteriores, a França insistiu em preservar seu legado de projetar e construir aeronaves completas, uma tradição que começou com a série Dassault Mystère e continuou através do Mirage até o Rafale.

Na década passada, no entanto, o país se associou com outros países para desenvolver UAVs furtivos, como o demonstrador multinacional Neuron e o Future Combat Air System com o Reino Unido.


FONTE: FlightGlobal

Anúncios

10 COMENTÁRIOS

  1. Parcerias trazem bons frutos, mas do meu ponto de vista a França está certa. Se ela já possui a capacidade de desenvolver sozinha, ela está bem. Duas vezes no século passado a Europa foi palco de duas Guerras entre países vizinhos. A vantagem está em não correr o risco de sofrer embargos de outros países.

  2. Europa x França, parte II. 🙂

    Sério, só pode existir um caça Europeu e olhe lá. Não só a França, como a Suécia e quem sabe Turquia deveriam entrar nessa, se tive até uma vaga para o Brasil deveria ir nessa.

    []'s

  3. A França tem que levar em conta a redução nas vendas, pode ser uma necessidade a aceitação de parceiros.
    Mirage III/V mais de 2000 unidades, Mirage 2000 umas 600 unidades e Rafale umas 160 unidades.
    Será que vale a pena seguir sozinho para vender 160 aviões, mesmo sendo um excelente avião.

  4. Infelizmente (para a França) acho que vão ter que entrar nessa. Isso se a Alemanha não comprar F-35 (Itália e Reino Unido já foram abduzidos) e esse programa ir para o vinagre. E é a primeira vez que vejo a Espanha sendo citada, até agora era uma iniciativa alemã.

    • Depois que o Reino Unido destruiu os BAE Systems Nimrod MRA4 ja em testes de voo para comprar o Boeing P-8, eu acredito em qualquer coisa sobre eles.

      • bem lembrado, essa foi inacreditável, os aviões estavam quase prontos…mas eles tem histórico, vide o TSR2.

  5. Isso nao vai dar certo , sem a GRABRETANHA este projeto nao decola , alem de lidarem com tecnologias sensiveis eles terao que criar um departamento enorme somente para administrar os conflitos e fricotes franceses e alemaes , bem ou mal terminarao o projeto Neuron , a GB vai F35 e mais pra frente irao adquirir juntamente com os Japas o novo e vitaminado SHIN SHIN !

    • não creio em parceria UK e Japão. E Alemanha e França podem dar jogo, sim.

  6. "O objetivo de um único programa de caça europeu surgiu há 25 anos…". Essa conta está errada: tal objetivo é de 1983 (e com o curto-circuito francês, já em 1987 os franceses tinham ideia do seu ACX Rafale e os britânicos engatinhavam com seu pré-Typhoon, o British Aerospace EAP…).

Comments are closed.