Frota de aeronaves da fabricante Airbus em voo histórico realizado em 2019.

A Airbus se tornou a maior fabricante de aviões do mundo pela primeira vez desde 2011, depois de entregar as 863 aeronaves previstas em 2019, conquistando a coroa da rival americana Boeing, informaram fontes no primeiro dia de 2020.

Esperava-se uma reversão na hierarquia entre os dois gigantes, já que existe uma crise sobre o 737 MAX da Boeing, que deve se arrastar até 2020. Mas os dados europeus recordes reforçam ainda mais a distância que a Boeing deve percorrer para recuperar sua posição no mercado.

A Airbus, que em outubro foi forçada por seus próprios problemas industriais a reduzir sua meta de entrega de 2019 em 2-3%, empregou recursos extras até horas antes da meia-noite para atingir as 863 aeronaves no ano, em comparação com a meta revisada de 860 jatos.

As entregas aumentaram 7,9% em relação a 800 aeronaves de 2018.

Crise da Boeing com o 737 MAX atrasou um grande número de entregas da fabricante dos EUA.

A Airbus se recusou a comentar os números, que devem ser auditados antes de serem finalizados e publicados.

Os planejadores recebem a maior parte de suas receitas quando as aeronaves são entregues – menos os pagamentos acumulados em andamento -, de modo que o desempenho no final do ano é monitorado de perto pelos investidores.

A Boeing entregou 345 jatos de longo curso entre janeiro e novembro, menos da metade do número de 704 atingidos no mesmo período de 2018, quando o MAX estava sendo entregue normalmente. Durante todo o ano de 2018, a Boeing entregou 806 aeronaves.

As fábricas da Airbus tradicionalmente param no Natal e no Ano Novo. Mas os centros de entrega e as instalações de conclusão da empresa estavam lotando a tarde da véspera de Ano Novo para permitir que companhias aéreas asiáticas e outras voassem com novos jatos.


Fonte: Reuters

Anúncios