Avião é “impedido” de decolar por causa de traineira; boia delimita área não navegável — Foto: Reprodução/TV Globo

O Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, suspendeu pousos e decolagens das 7h05 às 7h30 desta terça-feira (29) por causa de barcos de pesca. Pelo menos seis traineiras navegaram junto à cabeceira da pista, em área proibida, e a torre de controle precisou interromper as operações, sob risco de acidentes.

Às 7h35, um avião prestes a partir teve de percorrer toda a pista para decolar do lado contrário. Nesse momento, uma das traineiras já tinha se afastado.

Funcionários da Infraero chegaram a deslocar-se até a beira da pista e a acenar para as embarcações, para que saíssem da área proibida. A Capitania dos Portos foi acionada e abordou as traineiras.

Todo aeroporto estabelece um perímetro de isolamento para decolagens. A força dos motores neste momento gera um deslocamento de ar capaz de virar veículos – e embarcações – e até de matar uma pessoa. A esse fluxo se dá o nome técnico de “jet blast”.

‘Jet blast’ no Aeroporto Santos Dumont. Foto: Reprodução/TV Globo

O Santos Dumont, por ficar num aterro na Baía de Guanabara, tem particularidades. Para se chegar à Escola Naval, vizinha ao aeroporto, é necessário pegar uma via que passa rente à cabeceira. Cancelas interditam a rua a cada pouso ou decolagem.

Outra curiosidade é a extensão da pista, pequena para os padrões de metrópoles – a principal tem 1.323 metros. A do Aeroporto Internacional, no Galeão, é três vezes maior.

A localização do terminal também exige perícia dos pilotos: a rota de aproximação passa por morros, como o Pão de Açúcar, ou pela Ponte Rio-Niterói. A descida também deve ser calculada por causa do mar.

Barco da Capitania dos Portos se aproxima de traineira que invadiu área proibida — Foto: Reprodução/TV Globo

 

FONTE: G1, edição CAVOK

Anúncios

4 COMENTÁRIOS

  1. Essa traineira entrou para o hall das mais detonadas que eu já vi kkkkkk e ainda tinha uma batera a reboque

    • Se quer ver um negócio detonado, dá uma busca no dique-flutuante do kuznetsov. Nunca vi tanta ferrugem junta.

  2. Não sei o que é o pior de estar ali pescando: fechar o aeroporto (acidentalmente) ou comer (intencionalmente) peixes pescados ali , em local tão poluído…

Comments are closed.