O F-35 desapareceu das telas de radar durante um exercício com outros três F-35 no oceano a 135 quilômetros da Base Aérea de Misawa.

O ministro da Defesa do Japão, Takeshi Iwaya, disse que voos do caça F-35 da Força Aérea de Defesa do Japão (JASDF) recomeçaram em 1º de agosto de 2019 pela primeira vez desde o acidente de 9 de abril, informou a Reuters.

Como já relatamos anteriormente, a JASDF disse em 10 de junho de 2019 que a “desorientação espacial” provavelmente fez um de seus pilotos de F-35 cair no Oceano Pacífico em abril, atingindo a água a mais de 1.100 km / h. .

O jato Lockheed Martin desapareceu das telas de radar durante um exercício com outros três F-35 no oceano a 135 quilômetros da Base Aérea de Misawa, no noroeste do Japão. O piloto de 41 anos, faleceu.

“Acreditamos que é muito provável que o piloto estivesse sofrendo de vertigem ou desorientação espacial e não estivesse ciente de sua condição”, disse Iwaya durante um entrevista.

“Isso pode afetar qualquer piloto, independentemente da sua experiência.”

Ao dispensar problemas mecânicos ou de software como causa do acidente do caça avançado, a avaliação do Japão veio como um alívio para outros países que operam ou planejam introduzir o jato, incluindo os EUA, a Grã-Bretanha e a Austrália.

O Japão, disse Iwaya, aumentaria o treinamento de vertigem para seus pilotos e verificaria seus F-35s restantes antes de reiniciar os vôos.

Anúncios

1 COMENTÁRIO

  1. Só tem um porém nisso tudo… as investigações sobre as possíveis causas da queba foram bem limitadas devido ao fato do avião não ter sido recuperado. Sendo assim, certeza mesmo sobre o que causou o acidente eles não tem, tudo é especulação. Se o F-35 tem alguma falha no seu projeto que levará a perda de alguns aviões só o tempo dirá.

Comments are closed.