Um caça F-16 da Força Aérea de Taiwan escoltou aeronaves chinesas (na foto um bombardeiro H-6K) enquanto voavam próximo da ilha em dois dias consecutivos.

A China vem realizando exercícios militares com aeronaves voando próximo de Taiwan. A Força Aérea do Exército de Libertação Popular da China (PLAAF) disse que a força aérea de Taiwan se esforçou para interceptar os jatos chineses que cruzaram brevemente seu espaço aéreo.

As tensões aumentaram entre a China e a ilha auto-governada desde domingo, quando os F-16 de Taiwan acompanharam caças e bombardeiros chineses que voavam ao redor da ilha que Pequim reivindica como seu território.

Na segunda-feira, caças da Força Aérea da República Chinesa (Força Aérea de Taiwan) decolaram rapidamente depois que jatos chineses cruzaram brevemente uma linha não oficial no Estreito de Taiwan que divide os espaços aéreos entre os dois países.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, o Comando do Teatro do Exército de Libertação Popular disse que suas forças realizaram “exercícios de ataque aéreo e apoio a combates para refinar e testar ainda mais suas capacidades de combate conjunto de múltiplos serviços”.

A China intensificou esses exercícios desde que o presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, assumiu o cargo em 2016, acreditando que deseja pressionar pela independência formal da ilha, um alerta para a China.

A China diz que os voos “demonstraram as capacidades do PLA para resolver a questão de Taiwan pela força”.

Tsai, que venceu a reeleição no mês passado, em uma plataforma de enfrentamento à China, diz que Taiwan é um país independente chamado República da China, seu nome oficial.

O Comando do Teatro Oriental da China disse: “As forças de independência de Taiwan ignoraram a justiça nacional e intensificaram sua busca pela independência”.

“As forças do teatro sempre mantêm um alto grau de alerta, seguem de perto a situação e cumprem resolutamente suas missões”, acrescentou o comunicado.

Taiwan disse que os exercícios são uma ameaça para a paz regional e diz que a ilha não vai ceder diante das ameaças da China.

O primeiro-ministro de Taiwan, Su Tseng-chang, disse a repórteres na terça-feira que as ações militares da China “desnecessariamente provocaram ressentimentos entre os taiwaneses e prejudicaram a paz regional”.

“Ainda esperamos que a China possa realmente aliviar o sofrimento das pessoas devido ao surto da doença”, disse Su. “A China deve usar todo o poder que tem para ajudar seu povo”.

Tsai disse na segunda-feira que a China deveria se concentrar em combater o surto do novo coronavírus, em vez de ameaçar a ilha.

Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Os ditadores comunistas na China só estão esperando uma desculpa para atacar a ilha-nação democrática. Cabe aos taiwaneses manterem o sangue frio e continuarem à expulsar os aviões do regime da forma mais diplomática possível. Os socialistas sabem que, se atirarem primeiro, perdem.