Caças F-35A Lightning II, em imagem meramente ilustrativa.

A Coreia do Sul realizou uma cerimônia nesta terça-feira para marcar o início da capacidade operacional de seus caças furtivos F-35A.

A informação foi divulgada pela Força Aérea da República da Coreia (RoKAF), à medida que as tensões aumentam devido a preocupações que a Coreia do Norte poderia realizar uma grande provocação, como o lançamento de um míssil balístico intercontinental.

A cerimônia, que ocorreu na 17ª Base da Ala de Caça na cidade central de Cheongju, foi fechada à imprensa em um aparente esforço para manter um evento discreto para evitar a ira de Pyongyang, que se irritou bastante com a introdução de tais armas de ponta como sinal de hostilidade.

Momento da chegada dos dois primeiros F-35A na Coreia do Sul.

Até agora, a Coréia do Sul recebeu no país 13 caças F-35As, começando com dois no final de março, sob um plano para implantar 40 jatos de quinta geração até 2021. A realização da cerimônia de indução operacional significa que os militares declararam capacidade operacional inicial para o primeiro lote do caças de quinta geração, já que estão prontos para um combate limitado.

O general do Estado-Maior da Força Aérea, Won In-choul, presidiu a cerimônia interna que não incluiu qualquer exibição de voo dos novos caças. Críticos acusaram o governo de lidar com o assunto de maneira discreta, pois se importa muito com a Coreia do Norte.

“Acreditamos que o ativo foi totalmente divulgado por meio de eventos como o Dia das Forças Armadas e a Exposição Aeroespacial e de Defesa Internacional de Seul (em outubro)”, disse o tenente-coronel Cho Se-young em um briefing regular, acrescentando que o evento teve como objetivo reconhecer oficiais relacionados e ajudar a aumentar seu orgulho.

Como peça central do esquema de focalização estratégica do país contra forças inimigas em potencial, espera-se que o avião de guerra melhore as capacidades operacionais e fortaleça a postura de prontidão contra ameaças de todas as direções, de acordo com a força aérea sul coreana.

Nesta semana, a Força Aérea da República da Coreia, divulgou um novo vídeo publicitário mostrando o caça furtivo F-35A atingindo o mais recente sistema de mísseis da Coréia do Norte.

O vídeo inclui imagens do ataque do F-35A ao mais recente míssil balístico intercontinental móvel Hwasong-14 desenvolvido pela Coréia do Norte, além de sistemas de defesa aérea de curto alcance montados em um caminhão Pantsir-S1 fabricados na Rússia e o sistema Kvadrat soviético.

A cerimônia ocorreu em um momento em que as tensões aumentam na Península Coreana, com crescente preocupação com a possível retomada da Coreia do Norte de disparar mísseis de longo alcance em meio a negociações de desnuclearização entre Washington e Pyongyang.

O regime realizou um total de 13 rodadas de testes de grandes armas até agora este ano envolvendo mísseis balísticos, mas não lançou os de longo alcance. Este mês, no entanto, realizou testes aparentes de motores de foguete duas vezes em seu local de lançamento de satélites no oeste.

A Coreia do Norte ameaçou adotar um novo caminho se os Estados Unidos não apresentarem novas propostas até o final deste ano para romper o atual impasse.

Na segunda-feira, o enviado especial dos EUA para a Coréia do Norte, Stephen Biegun, pediu ao Norte que retorne ao diálogo, mas Pyongyang permaneceu calada.


Fonte: Yonhap News – Edição: Cavok

Anúncios