A SAAB emitiu comunicado relatando que na data de hoje – 15/06 – o protótipo do Gripen E (NG) voou com sucesso.

Mais detalhes ao longo dia.

FONTE/IMAGENS: SAAB

Anúncios

53 COMENTÁRIOS

  1. Depois do voo do DEMO, que era uma anv D com as mudanças necessárias para testar motor, radar e demais aviônicos que serão usados em todo o programa NG, já era "comédia" ver os "ispecialiiiistas de tecrado" chamando-o de "avião de papel", e agora, depois do E fazer um voo bem sucedido, tem quem acha pouco, acha que a integração de tudo que já foi testado em voo num convertido pode dar errado numa estrutura construído dentro desses parâmetros, e até quem ache que o mesmo deveria decolar armado no primeiro voo…KKKKKKK

    Vão ser do "contra" assim lá na PQP!!!

    Enquanto isso, a SAAB, parece-me, vai muito bem!!!

  2. Só espero que a FAB mude sua padronagem para algo parecido.
    De resto, feliz em ver que a progressão do programa segue de forma segura e sólida.

  3. De coraçao ,torço para que nao tenha o destino do AMX , um OTIMO vetor que o brasil reduziu a um mero carregador de bombas burras ! Basta compara-lo ao AMX italiano , puts , esqueci que por lah a parasitagem eh bem menor !

    • A modernização do AMX no meu ponto de vista – mesmo chegando atrasada e caminhando a passos de tartaruga se não acabar cancelado – , garantiu muitas novas capacidades ao AMX, e o desenvolvimento dos kits Acauã e até a aquisição de bombas inteligentes fazem dele um " carregador de bombas inteligentes ". Eu vou além, e penso que a Embraer poderia desenterrar o ferramental e garantir controle sobre o projeto e quem sabe reinventa-lo com as capacidades de hoje e com o know how do Gripen NG. E concordo, realmente de coração, que a FAB faça esse projeto amadurecer e tenha total interesse em tornar o Gripen aqui no Brasil um sucesso, com 100 ou mais unidades operando por aqui. Não adianta pagar caro por ToT e ficar nos 36 ..

      • O problema em reabrir a linha de produção do AMX é que por ser um produto binacional, na época entre 2 empresas italianas e uma brasileira, é o fato de ter que ser uma vontade de todos os participantes.
        É a maior desvantágem destas parcerias onde cada um faz uma parte do avião.
        Por outro lado estamos na era do multifunção, e um avião de ataque subsônico não teria mercado.

      • Eu sou fã do AMX, mas ele não é um avião para a próxima década. Com o fim de sua vida útil, a não substituição até o momento do Xavante e o know How adquirido com o Gripen, talvez devêssemos pensar em algo no estilo Hawk, um treinador eficiênte com boa capacidade de combate, é bem mais barato de operar que Yak-130, Master e T-50 .

        • Gostaria de ver o Brasil/Embraer em desenvolvimento conjunto do FS2020/25. Seria o passo seguinte, mas na atual conjuntura, não para apostar muito nisso não. 😛

          []'s

        • Para entrar em um mercado entupido de bons treinadores nem vale a pena.

  4. Escuta, não era para a gente estar comemorando ? Também sou a favor que a FAB mude a pintura dos pássaros, alias, peçam umas dicas para o pessoal de pintura da Sukhoi.

Comments are closed.