A Força Aérea dos EUA quer tecnologia espacial mais avançada.

A Força Aérea dos EUA deve mudar a maneira como planeja suas aquisições de tecnologia para combater a crescente ameaça ao domínio do país sobre a fronteira final“, dizem oficiais militares.

Esse domínio de longa data, que ajuda a estabelecer a supremacia dos EUA no campo de batalha por meio de recursos incomparáveis de reconhecimento e comunicação, está sendo desafiado como nunca antes, destacaram oficiais da Força Aérea.

Certamente sabemos que temos um adversário que está tentando, de todas as maneiras diferentes, impactar o que fazemos“, disse o Brigadeiro-General Matthew Wolfe Davidson, vice-comandante combinado de componentes espaciais no Comando Espacial dos EUA e vice-comandante da 14.ª Força Aérea da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia.

Não há dúvida de quando você olha o que nossos concorrentes, China e Rússia, estão fazendo com armas anti-satélite de ascensão direta – não há muitas necessidades de dupla finalidade para isso“, acrescentou Davidson.

Shawn Barnes, o vice-assistente principal do secretário da Força Aérea para o Espaço, expressou sentimentos semelhantes.

Estou preocupado, porque somos muito dependentes de recursos espaciais e, no entanto, sabemos que nosso adversário está trabalhando para tirar esses recursos de nós, física ou virtualmente“.

Esses adversários estão trabalhando rápido, disponibilizando novas tecnologias espaciais on-line a cada três anos, acrescentou Michael Dickey, diretor do Escritório de Estratégia e Arquiteturas Empresariais e o arquiteto-chefe do Comando Espacial da Força Aérea.

O processo de aquisição da “Era industrial” que a Força Aérea dos EUA tradicionalmente usa para obter tecnologia nova e necessária em órbita, por outro lado, leva cerca de 15 anos do início ao fim, disse Dickey.

O Space Pitch Day, um evento de dois dias, tem por objetivo ajudar a Força Aérea dos EUA a ficar mais rápida e ágil em relação à implantação de tecnologia e, portanto, mais capaz de defender ativos espaciais da nação.

Durante o Space Pitch Day, dezenas de empresas apresentaram suas idéias aos principais executivos da Força Aérea. Trinta empresas conseguiram US$ 750.000 em negócios no local, e metade desses premiados foi convidada a se candidatar a contratos ainda mais ricos. Sete empresas (Aptima, Chandah Space Tech, Launcher, nou Systems, Orbital Micro Systems, Stratagem Group e Virtualitics) poderiam acabar com US$ 1,5 milhão cada. Oito outros (Analytical Space, Areté Associates, Lucid Circuit, Numerica, Omitron, Roccor, Space Micro e Synaptech) poderiam eventualmente ficar com US$ 3 milhões.

As empresas premiadas são muito variadas. Por exemplo, a Launcher está desenvolvendo um foguete super eficiente para elevar pequenos satélites, e a Lucid Circuit está construindo um microchip que pode permitir o aprendizado de máquina a bordo de naves espaciais e drones.

Estamos realmente ansiosos por trabalhar com todos os nossos 30 prêmios à medida que avançamos, e esperamos realizar mais esse tipo de compromisso no futuro“, afirmou o Tenente-General John Thompson, comandante do Centro de Sistemas Espaciais e Mísseis, Comando Espacial da Força Aérea, na Base da Força Aérea de Los Angeles.

É absolutamente essencial para nossa nação descobrirmos algo diferente do modelo de aquisição de ativos espaciais na Era industrial“, acrescentou Thompson. “Para continuarmos competitivos com nossos adversários, a nação espacial mais capaz do planeta, precisamos criar maneiras diferentes de fazer as coisas“.


Com informações de space.com

 

Anúncios