198361 1 600x363 - F-35C mais próximo da Capacidade Operacional Inicial com a Marinha dos EUA
Um F-35C Lightning II da VFA-147 realiza um pouso touch-and-go no USS Carl Vinson (CVN 70). (Foto: U.S. Navy/MC3 Ethan J. Soto)

O Esquadrão de Caças de Ataque (VFA) 147 “Argonauts” completou suas qualificações embarcadas no dia 12 de dezembro a bordo do USS Carl Vinson (CVN 70), o componente final necessário para a Ala Comandante do Joint Strike Fighter (CJSFW) emitir o certificação de operações de voo do esquadrão. Isso marca um marco importante para a Marinha dos EUA no sentido de declarar a capacidade operacional inicial (IOC) no próximo ano.

A certificação de operações de segurança para voos (SFFOC) é a etapa final para a transição do VFA-147 do F/A-18E Super Hornet para o F-35C Lightning II. Esse processo garante que um esquadrão esteja equipado com pessoal qualificado para implementar programas de manutenção e segurança em apoio às operações da frota. Todos os esquadrões em transição são obrigados a concluir esta certificação antes de realizar operações de voo de forma independente.

181208 N VQ841 1155 600x398 - F-35C mais próximo da Capacidade Operacional Inicial com a Marinha dos EUAAo introduzir uma nova aeronave na Frota, o esquadrão apropriado de substituição de frota (FRS) é responsável pela supervisão da unidade de transição. O VFA-125 “Rough Raiders” foi reativado em janeiro de 2017 para cumprir o papel adequado de FRS para o Lightning II. Desde o término de sua implantação de combate no inverno passado, o VFA-147 tem trabalhado com os Rough Raiders para realizar a certificação de operações de segurança para voos. Os Argonauts poderão operar de forma independente dos Rough Raiders, tendo recebido sua certificação de operações de segurança por voo.

“Desde que voltamos da implantação em dezembro passado, nossa equipe tem se direcionado para a plena disponibilização desta plataforma para a Marinha”, disse Patrick Corrigan, vice-comandante do VFA-147, durante o encerramento de operações de voo em 2018 para os Argonauts. “Para a certificação de voo, continuamos exibindo o implacável desejo de cumprir as metas e os marcos de transição. Com esta certificação, estamos anunciando que temos as habilidades, treinamento e pessoas certas para levar essa missão e executá-la em todo o seu potencial”.

181208 N VQ841 1583 600x197 - F-35C mais próximo da Capacidade Operacional Inicial com a Marinha dos EUAA certificação de operações de segurança nos voos engloba áreas como equipamentos, pessoal e programas. Não menos importante entre eles é a exigência de que o esquadrão tenha custódia física de pelo menos 30% das aeronaves designadas. Outros requisitos incluem a instalação e operação de sistemas de informações gerenciais, como o Sistema Autônomo de Informações Logísticas (ALIS) e suas respectivas redes de suporte. Existe também a exigência de que os esquadrões operacionais do F-35C mantenham programas de manutenção robustos e alinhados, bem como realizem várias inspeções, desde armas até segurança. As tripulações completam um programa de voo de transição e mantêm certas proficiências de acordo com o Treinamento Aéreo Naval e Procedimentos Operacionais e de Padronização (NATOPS).

181208 N LK571 1008 600x261 - F-35C mais próximo da Capacidade Operacional Inicial com a Marinha dos EUA“A certificação de operações de segurança em voo dos Argonauts foi obtida através do esforço hercúleo do esquadrão Sailors e é um reconhecimento de que eles desenvolveram as habilidades para manter e operar com segurança o F-35C Lightning II”, disse o Comandante da Ala Joint Strike Fighter, o Capitão Max McCoy. “Estamos ansiosos para declarar o IOC e integrar o F-35C ao Carrier Strike Group. Esta aeronave é um componente fundamental para manter o domínio da Marinha dos EUA em qualquer parte do mundo.”

“O VFA-147 continua a realizar significativos marcos, avançando este programa mais perto de seu objetivo final de integrar o F-35C na Frota”, disse McCoy. “O desempenho excepcional do esquadrão durante todo o processo de transição é um testemunho dos marinheiros que trabalham duro e que fazem do programa F-35C da Marinha dos EUA uma realidade. Nós teremos sucesso porque os profissionais deste programa não permitirão que ele falhe. É evidente em tudo o que eles fazem. É quem somos como equipe.”

181208 N VQ841 1312 600x429 - F-35C mais próximo da Capacidade Operacional Inicial com a Marinha dos EUAA Ala Comandante do Joint Strike Fighter, sediada na Estação de Aviação Naval de Lemoore, Califórnia, garante que cada esquadrão F-35C esteja totalmente pronto para o combate ao conduzir missões de apoio baseadas no porta-aviões, em qualquer tempo, nas missões de ataque e caça, e em apoio para o Comandante das Forças Aéreas Navais. Com sua tecnologia stealth, sensores avançados, capacidade de armas e alcance, o F-35C será a primeira aeronave de 5ª geração operada a partir de um porta-aviões. Atualmente, o programa F-35C da Marinha dos EUA está programado para declarar a capacidade operacional inicial até o final de fevereiro de 2019.

Anúncios

4 COMENTÁRIOS

  1. Os SH do VFA-147 vão para outro esquadrão ou serão definitivamente aposentados? Porque li aqui que essas aeronaves chegaram ao esquadrão entre 2007/2008, então em tese são aeronaves novas.

    • Provavelmente foram as primeiras a contar com o radar APG-79 AESA, então penso que serão redistribuídas aos outros esquadrões ou irão para os Blue Angels

      • Darei uma de fanboy, mas se eles não quiserem, mandem uns para a FAB, rs!

  2. já é 2ª tentativa de fazer IOC do F-35C. Antes os pilotos reclamaram do peso do capacete do mesmo no momento de catapultar nos NAes e agora deve ter sido resolvido. É a única força que ainda não usa o F-35 por causa do peso do capacete. Tem vídeo disso no youtube.

Comments are closed.