Durante a Guerra Fria, a Força Aérea da Coreia do Sul tinha duas diretrizes: frear o ímpeto norte-coreano e, em caso de conflito, apoiar os EUA contra uma possível invasão da URSS ou da China.

Atualmente a RoKAF (Republic of Korea Air Force) conta com aproximadamente 500 aeronaves de combate de design norte-americano, além de algumas aeronaves russas , europeias e projetadas de forma independente.

Logo após o fim da Segunda Guerra Mundial , a Associação de Construção Aérea da Coréia do Sul (South Korean Air Construction Association) foi fundada em de agosto de 1946 para divulgar a importância do poderio aéreo. Apesar do escasso status das Forças Armadas coreanas, a primeira unidade aérea foi formada em maio de 1948. Em setembro de 1949, os Estados Unidos forneceram 10 aeronaves de observação L-4 Grasshopper para a unidade aérea sul-coreana. Uma Academia Aérea do Exército foi fundada em janeiro de 1949 e a RoKAF foi oficialmente fundada em outubro de 1949.

North American F-51D Mustang

Os anos 50 foram um período crítico para o RoKAF, que se expandiu tremendamente durante a Guerra da Coréia . No início da guerra, a RoKAF tinha um efetivo de 1.800 membros e possuía apenas 20 aeronaves de treinamento e ligação, incluindo 10 treinadores North American T-6 Texan adquiridos do Canadá. A Força Aérea norte-coreana havia adquirido um número considerável de caças Yak-9 e La-7 da União Soviética, sobrepujando a RoKAF em termos de tamanho e força. No entanto, durante o curso da guerra, a RoKAF adquiriu 110 aeronaves. As primeiras aeronaves de combate recebidas foram os North American F-51D Mustang, juntamente com um contingente de pilotos instrutores da Força Aérea dos EUA, sob o comando do Major Dean Hess, como parte do Projeto Bout One. A RoKAF participou de operações de bombardeio e realizou missões independentes. Após a guerra, a sede da Força Aérea foi transferida para Seul.

Para combater a ameaça de possível agressão norte-coreana, durante toda a década de 1960 a RoKAF passou por um aprimoramento substancial na capacidade e qualidade, adquirindo treinadores North American T-28 Trojan, interceptadores noturnos North American F-86 Sabre/F-86D, caças Northrop F-5A Freedom Fighter e o polivalente e capaz McDonnell Douglas F-4D Phantom II.

112 caças F-86F e 10 RF-86F foram operados pela RoKAF, que os aposentou somente em 1990! Já o interceptador F-86D foram adquiridos 50 aviões e foram retirados de serviço em em 1972.
A RoKAF adquiriu 20 unidades da variante L-2 da Polônia e da Europa Oriental como aeronave de utilidade geral e treinador.

O Comando de Operações da Força Aérea foi criado em 1961 para garantir instalações eficientes de comando e controle. O Comando de Logística da Força Aérea foi estabelecido em 1966 e diversas pistas de emergência foram construídas para uso emergencial durante a guerra. A Unidade Eunma foi fundada em 1966 para operar aeronaves de transporte Curtiss C-46 Commande usadas para apoiar o Exército (Republic of Korea Army) e Unidades do Corpo de Fuzileiros Navais (Republic of Korea Marine Corps) que serviram no Vietnã do Sul durante a Guerra do Vietnã.

Na década de 1970 a RoKAF viu uma Coréia do Norte cada vez mais beligerante. O governo sul-coreano aumentou os investimentos, resultando na compra de caças Northrop F-5E Tiger II em agosto de 1974 e McDonnell Douglas F-4E. Aviões de apoio, como Fairchild C-123 Provider e Grumman S-2 Tracker também foram comprados na época. Grande ênfase foi colocada no programa de treinamento de voo; foram adquiridas novas aeronaves de treinamento Cessna T-41 Mescalero e Cessna T-37, e o Comando da Força Aérea de Educação e Treinamento também foi fundado em 1973 para consolidar e aprimorar a qualidade do treinamento de pessoal.

Nos anos 1980, a RoKAF concentrou-se na expansão qualitativa de aeronaves para se igualar e/ou sobrepujar o poderio da Força Aérea da Coréia do Norte (North Korean Air Force). Em 1982, o parque industrial sul-coreano mostrou que era capaz, produzindo localmente o F-5E sob-licença e instrução da Northrop.

A RoKAF ao todo recebeu 88 F-5A, 30 F-5B, 8 RF-5A, 126 F-5E, 20 F-5F, 48 KF-5E e 20 KF-5F.
Um total de 220 Phantoms foram operados pela ROKAF, sendo 92 F-4D, 103 F-4E e 27 RF-4C.

Em 1983, Lee Woong-pyeong, então um Capitão da Força Aérea da Coreia do Norte, desertou para o sul com um Mig-19. Assim a RoKAF reuniu muitas informações sobre a Força Aérea norte-coreana. O centro coreano de informações sobre operações de combate foi formado em breve e o Sistema de Defesa Aérea foi automatizado para obter superioridade aérea contra a Coréia do Norte. Quando as Olimpíadas de Seul, em 1988, foram realizadas na Coréia do Sul, a RoKAF contribuiu para o sucesso do evento, ajudando a supervisionar todo o sistema de segurança. Em 1989 a RoKAF adquiriu 40 caças General Dynamics F-16.

A Coréia do Sul comprometeu seu apoio às forças da coalizão durante a Guerra do Golfo Pérsico , formando a “Unidade Bima” para lutar na guerra. A RoKAF também forneceu apoio aéreo para operações de manutenção da paz na Somália em 1993. O aumento da participação em operações internacionais representava a elevada posição internacional da RoKAF.

McDonnell Douglas F-15K Eagle
General Dynamics KF-16

Como parte do programa Peace Bridge II & III a partir de 1994, a industria sul-coreana construiu mais de 180 caças KF-16, a versão local do F-16 bloco 52.

Em agosto de 2007 a RoKAF retirou de serviço os últimos caças F-5A/B, substituindo-os por caças F-15K e F/A-50. Percebendo uma lacuna nas capacidades de inteligência, vigilância e reconhecimento (intelligence, surveillance and reconnaissance – ISR) a ROKAF optou pela compra do Lockheed F-35 Lightning II. E para consolidar sua projeção de força, o seu parque industrial está desenvolvendo uma aeronave de 5.ª Geração sob a denominação KF-X.

Passados todos esses anos e, embora a Guerra Fria original tenha terminado, a RoKAF continua sendo uma importante peça no equilíbrio de forças da região. Se a ameaça soviética já não paira mais sobre a península, a Força Aérea da Coreia do Sul está cada vez mais pronta para dissuadir as garras do dragão e sua marionete do norte.


FONTES: Military.org; RoKAF

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. Tem mesmo que se preparar adequadamente, vai saber o que o Kim III vai fazer amanhã !

  2. "garras do dragão e sua marionete do norte"

    Tá certo, só existe fanboy de esquerda rs

    Negocio é bem claro: o norte não perdeu a guerra, o Gordinho está lá de boa com embargo e tudo e a China, bem essa logo mais toma a dianteira.

Comments are closed.