No dia 22 de abril de 2008, o F-117 Nighthawk oficialmente se despedia da USAF.

Já faz 10 anos que o F-117 Nighthawk foi retirado de operação (pelo menos oficialmente), um avião tão secreto que o folclore de Nevada o rotulou de OVNI.

Os pilotos do Nighthawk eram conhecidos pelo indicativo de chamada “Bandit”, cada um ganhando seu número com seu primeiro voo solo. Alguns dos mantenedores também receberam um indicativo de chamada, disse Wayne Paddock, um ex-mantenedor do F-117 atualmente estacionado na Base Aérea de Holloman, Novo México.

Uma vista iluminada do F-117A, do artigo de fevereiro de 1995 da Airman Magazine “Streamlining Acquisition 101”.

“As pessoas que mantiveram os revestimentos na aeronave, materiais absorventes de radar foram classificados como especialistas em aplicação e reparo de materiais (MARS). A sigla MARS transformou-se em marcianos”, disse Paddock. “A equipe MARS foi um fragmento da carreira do pessoal de reparação estrutural / controle de corrosão”.

A tecnologia para o F-117 foi desenvolvida na década de 1970 como uma capacidade de atacar alvos de alto valor sem ser detectada pelo radar inimigo. Tinha até 5.000 libras de armas variadas em compartimentos internos, dois motores e podia viajar até 684 mph (1.100 km/h).

Foi o primeiro avião projetado e construído como uma plataforma furtiva, estável e precisa, disse Yancy Mailes, diretor do programa de história e de museus do Comando de Material da Força Aérea na Base Aérea de Wright-Patterson, Ohio, e um ex-mantenedor do F-117.

“Foi o casamento do F-117 com a GBU-27 que tinha um designador de laser em seu nariz que o tornou uma plataforma tão precisa e mortal”, disse Mailes. “Foi melhor demonstrado durante a Operação Tempestade no Deserto, quando pilotos entraram no Iraque e jogaram armas no fosso de um elevador de um edifício central de comunicações no Iraque.”

Quatro F-117A Nighthawk executam um último voo na cerimônia de aposentadoria na Base Aérea de Holloman, NM, no dia 21 de abril de 2008. O F-117A voou sob a bandeira da 49ª Ala de Caça na Base Aérea Holloman, Novo México de 1992 até a sua aposentadoria em 2008. (Foto: U.S. Air Force / SSgt Jason Colbert)

O primeiro Nighthawk voou no dia 18 de junho de 1981, e a unidade inicial do F-117A, o 4450º Grupo Tático (renomeado como 37ª Ala de Caça Tático em outubro de 1989), alcançou capacidade operacional inicial em outubro de 1983. O Nighthawk originalmente foi visto em combate durante a Operação Just Cause, em 1989, quando dois F-117 da 37ª TFW atacaram alvos militares no Panamá. A aeronave também estava em ação durante a Operação Escudo do Deserto.

O Coronel aposentado Jack Forsythe, lembra-se de ter ficado animado quando inicialmente voou com um Nighthawk enquanto estava estacionado na Base Aérea Holloman em 1995.

“Foi uma experiência única”, disse ele. “Provavelmente é o mesmo sentimento que muitos dos nossos pilotos de F-22 (Raptor) e F-35 (Lightning II) sentem hoje.”

Após 25 anos de serviço, o Nighthawk se aposentou em 22 de abril de 2008. Forsythe liderou a formação de quatro aeronaves para Palmdale, na Califórnia, onde a equipe da Lockheed Martin se despediu.

“Baixamos as portas dos compartimentos de bombas de cada aeronave e as pessoas assinaram seus nomes nas portas”, disse Forsythe. “Foi realmente meio que bem organizado; eles o projetaram, construíram e mantiveram durante esses 25 anos, então realmente atingiu o objetivo – e a indústria e a parceria da Força Aérea que tornaram o Nighthawk ótimo. Acho que nós quatro ficamos muito impressionados com isso e temos ótimas lembranças daquele voo.”

A bandeira americana foi pintada em toda a parte de baixo de seu F-117 pelos mantenedores para ajudar a celebrar o poder aéreo americano.

Dois especialmente pintados F-117 Nighthawks voam em uma de suas últimas missões. Os F-117 foram aposentados em 11 de março em uma cerimônia de despedida na Base da Força Aérea Wright-Patterson, em Ohio. (Foto: U.S. Air Force / Senior Master Sgt. Kim Frey)

“Acho que todos nós reconhecemos que isso era algo histórico”, disse ele. “Nós aposentamos um avião que as pessoas ainda fazem referência hoje. Nós realmente entendemos isso, então foi um voo sentimental para dizer o mínimo. Era um ótimo sistema de armas, muito estável e fácil de voar. Ainda é uma experiência memorável”.

Anúncios

2 COMENTÁRIOS

  1. O F-117 já foi aposentado nos EUA e só agora que vemos aeronaves aspirantes a furtivas em outros países, e ainda muito aquém da furtividade que o próprio Nighthawk tinha.
    Quando analisamos isso vemos que os americanos estão anos luz em termos de tecnologia que qualquer outro país.
    Lógico não vamos nos esquecer do quanto eles gastam com o seu departamento de defesa, a quantia também está anos luz a frente de qualquer outra nação.
    Mas devemos nos inspirarmos na eficiência deles em transformar dinheiro em resultado, com tanto capital investido nesse setor eles podiam se dar o luxo de serem displicentes com seus gastos que continuariam mesmo assim no topo do mundo com folga, porém vemos o contrário: a grana investida se traduziu em resultados e em avanços significativos por parte deles. O F-117 já foi, o B-2 ainda está operacional, o F-22 segue em breve rumo a modernização para se tornar ainda melhor do que já é, o programa do F-35 ainda enfrenta suas dificuldades porém com certeza elas serão superadas, e quem diz isso não sou eu e sim a história, basta analisarmos que grande parte dos projetos que trouxeram inovação tecnológica sofreram atrasos e enfrentaram complicações orçamentárias, com o passar dos anos, os aviões que antes eram problemáticos foram sendo aprimorados e se transformaram em referência. Essa é minha aposta em relação ao F-35.
    Não sou de ficar enaltecendo os feitos americanos, mas devemos tirar o chapéu para a seriedade e competência que faz com eles hoje sejam os xerifes do mundo.

  2. Aeronave incrível !! Duvido que pelo menos algumas ainda voem por aí.

Comments are closed.