Observe a ponta da asa e a carenagem da cauda, com os propulsores para a estabilização quando em voo pairado. (Imagem: coleção particular)
Observe a ponta da asa e a carenagem da cauda, com os propulsores para a estabilização quando em voo pairado.
(Imagem: coleção particular)

A Northrop estava fortemente envolvida na tecnologia V / STOL na década de 1960.

A imagem não é nenhuma surpresa e uma variante VTOL do T-38 chegou a ser proposta. Infelizmente não existem maiores dados técnicos de como a Northrop pretendia fazer ele voar, mas pela concepção artística, acredita-se que seria o princípio da bateria de motores, assim como a Dassault fez com o Mirage Balzac.


Anúncios

8 COMENTÁRIOS

  1. Atemporal.

    Não… Ampliando a foto, eu consigo ler, na empenagem vertical: e-fe… cin-co… ea-gle!

    E acima de “Air”, do “U. S. Air Force” está: cap-ta-in… U. Gui-ma-rã-es… Au-to… Es-por-te!

    “Mãe, o Armand tá lendo!”

    Back to the future. 😀

  2. Eu acho que muitas aeronaves VTOL não foram para na época simplesmente pelo custo beneficio.

  3. Vixi………!!!!

    Apaguem logo isso, vai que alguém da FAB vê isso!!!!!

  4. Se o nosso já tem perna curta, imagina um troço desses! Só subia e já tinha que descer.

  5. Pois é…pensei a mesma coisa. E outra, teriam os motores J85 potência suficiente para tal?

  6. Pra nós estaria de bom tamanho.
    Não é mais ou menos o que os nossos fazem hoje?

    "Temos um avião que funciona, ó? Viu? Ele sobe e desce."

    Rs.

Comments are closed.