Um caça F-14 Persian Cat decola durante o exercício militar próximo a Teerã, no melhor estilo Top Gun. (Foto: Mehdi Bolourian / FARS)
Um caça F-14 Persian Cat decola durante o exercício militar próximo a Teerã, no melhor estilo Top Gun. (Foto: Mehdi Bolourian / FARS)

A Força Aérea do Irã (IRIAF) realizou com sucesso durante três dias um exercício militar de guerra eletrônica de grande escala, na província central de Isfahan. Os exercícios que envolveram um grande números de aeronaves militares como F-14, F-4 e MiG-29, começaram na terça-feira (18/10) e terminaram ontem. O exercício foi batizado de Fada’eeyan-e Harim-e Velayat 6 (os devotos do Santuário Velayat 6). Veja o vídeo a seguir e outras belas imagens dos caças Tomcats, os únicos ainda em operação no mundo.

O Brigadeiro General iraniano Massoud Rouzkhosh, o porta-voz para as manobras, disse que a Força Aérea utilizou sistemas avançados de comunicações em redes sem fio ou com conexões seguras através de cabos, sistemas de voo e sistemas táticos durante os treinos. A Força Aérea também realizou missões de reconhecimento e ataques a alvos aéreos e terrestres, além de prática de táticas de defesa civil.

_91974744_drill104

Caças F-14 e F-4 realizaram diversas missões noturnas.
Caças F-14 e F-4 realizaram diversas missões noturnas.
Um trijato Falcon 50 realizou missões de interferência eletrônica.
Um trijato Falcon 50 Sayeh realizou missões de interferência eletrônica. Ao fundo um MiG-29 decola para mais uma missão.

A aplicação de métodos de interferência de sinal contra radares inimigos simulados estavam entre as táticas de guerra eletrônica empregados por um avião Falcon 50 no segundo dia, disse ele. O trijato Falcon 50 faz parte de um projeto chamado de Sayeh (sombra).

_91974946_drill105 _91974948_drill106

Um grande número de aeronaves de combate foram usados no exercício.
Um grande número de aeronaves de combate foram usados no exercício.

Mais tarde durante o mesmo dia, interceptores F-14 Persian Cat (Tomcat) conduziram vigilância aérea e outras operações, e depois caças F-14 Tomcat e MiG-29 Fulcrum realizaram treinamento de combates aéreos.

_91975091_drill112
Caça-bombardeiro Su-24 Fencer com mísseis ar-terra J-25.
_91975093_2b3b4d1a-0afc-490d-ae9d-ee6b178181d6
Interceptador F-14 Persian Cat com mísseis ar-ar AIM-9.
_91975089_0a189aa6-609c-48a8-bc00-33933b0e483f
Caça F-4 Phantom com míssil ar-terra AGM-65.
_91974954_drill109
Caça F-5 Tiger/HESA Saeqeh sendo armado com bombas Mk 83.

Os exercícios também tiveram a participação do caça construído no país Sa’eqeh (raio), F-4 Phantom II, F-5E Tiger, F-7, e jatos de combate Sukhoi Su-24 Fencer, além de aviões de transporte, de reabastecimento e veículos aéreos não tripulados, bem como uma grande variedade de armamentos, incluindo bombas inteligentes e mísseis guiados por laser.

Jatos de reconhecimento RF-4 também realizaram missões de treinamento.
Jatos de reconhecimento RF-4 também realizaram missões de treinamento.

253140dc-8740-4788-ae8c-5501d531980aRouzkhosh disse que um ponto forte das manobras foi a ampliação do poder de fogo da força e do reforço das suas capacidades de precisão de uso de armas.

bb44cab7-506d-473e-888d-66c86ca113baTambém durante o dia, aviões F-4 Phantom II usaram mísseis ar-terra Maverick e conduziram ataques cirúrgicos que utilizavam foguetes inteligentes, enquanto as aeronaves não tripuladas foram usadas para permitir a comunicação, bem como o reconhecimento e a destruição dos alvos.

_91974738_drill101 cvc8scqxeaaduot

Grande número de manutenções e revisões são feitas pelo próprio pessoal da Força Aérea Iraniana.
Grande número de manutenções e revisões são feitas pelo próprio pessoal da Força Aérea Iraniana.

O Irã diz que seu poderio militar não representa uma ameaça para outros países, afirmando que a sua doutrina de defesa é baseada na dissuasão, e afirma que seus programas militares e de armas servem apenas para fins defensivos. O país nos últimos anos tem feito grandes conquistas no setor da defesa e ganhou a auto-suficiência na fabricação de hardware e sistemas de defesa militar essenciais.

Em abril, a Força Aérea iraniana exibiu vários esquadrões de sua frota operacional, em um show aéreo no Dia Nacional do Exército, onde diferentes tipos de caças e caças-bombardeiros participaram do show aéreo encenado sobre o mausoléu do fundador da República Islâmica, o falecido Imam Khomeini, ao sul da capital Teerã.

O último exercício do tipo foi realizado em setembro de 2015.

Fonte e Fotos: FARS News Agency / Press TV-Iran

Anúncios

22 COMENTÁRIOS

  1. O Iraque antes da Guerra do golfo era mesma coisa , exibições dignas de URSS , muitos aviões , milhares de efetivos etc . Desmoronou …..

  2. O TF-30 é o pior motor já colocado em um caça, mas ao menos tem um belo afterburner! 🙂

  3. Rapaz…mas eles têm é avião hein ? acabando o embargo quem será que vai substituir toda essa salada ? acho que no lugar do gato tom eu apostaria em Flanker 35 ou quem sabe um PAK-FA.

  4. Como seria se a FAB tivesse um treino contra a IRIAF ? será que nossos forevis ganhariam dos forevis deles ? kkkkk

  5. Não afirmaria que estão bem conservadas, não sabemos estado dos airframes etc.

    Mas é muito bom ver caças como o F-4E e F-14A em operação!

    • Num Primeiro momento, eu falei bem conservado e não ótimos, Vitor. Contexto, ok. Para esses caças, da IRIAF ou quaisquer outros precisam de verificações, simplificando checklist: elétrica, hidráulica, motor, fuselagem, trem de pouso, Flaps e combustível entre outros. Bem sintetizado ok. Vamos lá! Para fazer um avião sair do chão, a primeira coisa é superar a resistência do ar a objetos em movimento. Para isso, a aeronave precisa ser impulsionada por hélices, foguetes ou turbinas. Essas últimas executam duas ações: primeiro, sugam o ar para dentro com uma grande hélice, como um exaustor gigante.
      Depois de sugar o ar, as turbinas expelem esse ar do outro lado, comprimido e acelerado por várias hélices menores. O ar supercomprimido e acelerado que sai da turbina gera uma força em sentido oposto, que “empurra” o avião pra frente fazendo-o vencer a resistência do ar
      Vencida a resistência do ar, é hora de superar o peso de centenas de toneladas que gruda o avião ao solo. Quem vai fazer isso são as asas, especialmente desenhadas para criar um poderoso empuxo (força que empurra o avião para cima). A asa mais usada nos caças é a enflechada, e para que tenha sustentação para induzir uma diferença de velocidade na passagem do ar: o ar de cima passa mais rápido, pois percorre um caminho maior no mesmo tempo que o ar de baixo, que passa mais devagar. A diferença na velocidade na passagem de ar faz com que a pressão na parte de cima da asa seja menor que embaixo. E daí meu caro Vitor?!, se faltar manutenção hidráulica e elétrica a aeronave cai. Se tiver em dia a manutenção, a força do peso (que atua em direção ao solo) fica menor que a força de empuxo (que atua para cima). E o avião começa a voar! Para que o piloto possa controlar o ângulo de subida ou descida e realizar ajustes na velocidade do avião, as asas possuem pás móveis chamadas flaps. Eles alteram a direção da passagem do ar, mudando a diferença de pressão na asa e, por conseqüência, o empuxo do caça. Por fim, o caça não perde a direção graças à asa que fica em pé na parte de trás, o estabilizador vertical. Ele mantém a aeronave em linha reta. O estabilizador também tem um flap, chamado de leme, que é movido sempre que o piloto quer virar a aeronave para a esquerda ou para a direita, olha a hidráulica, incauto Vitor, agindo novamente. Contudo, se algum desses fatores, os mínimos que mencionei acima, não funcionarem, logo a aeronave não voa. É por essas razões que, eu afirmo, se estão voando é porque estão bem conservadas as aeronaves da IRIAF, ainda mais, pelo tempo que já existem, na elegância e numa boa.
      Vitor, não adianta só discordar pelo fato de Discordar. E também, eu não estou nem aí se você concorda ou não com o meu comentário. Vitor, eu nunca ví você comentar algo que preste sobre as matérias do Cavok, você tem é que prestigiar as matérias e comentar com mais inteligência e não bancar o Hater de plantão.
      I do not answer to haters.

      • Tem muitos sites por aí que baixam o nível, Vitor.
        Aqui, no Cavok, eu percebo que a esmagadora maioria dos comentaristas tem elegância, ok.
        Por isso, eu não quero baixar o meu nível e peço desculpas se ofendi você. Eu retiro qualquer ofensa para com a sua pessoa.
        Porém, eu tenho a minha opinião assim como você tem a sua.

  6. Até o carro que aparece nas fotos tem cara de anos 80! Back to the 80´s!!

  7. Tudo Made in USA é do tempo do xá e já em museus. Devem ter comprado muita peça de reposição no mercado negro. agora que obama liberou os U$100Bi congelados desde 1979 e as vendas de petroléo vão poder comprar o que quiserem da Rússia e china. Europa não que Israel faria pressão contra com justiça.

Comments are closed.