O A-29 Super Tucano foi escolhido pela USAF na competição LAS.
O A-29 Super Tucano foi escolhido pela USAF na competição LAS.

A Rockwell Collins fornecerá equipamentos de navegação e comunicação para a A-29 Super Tucano. A empresa norte americana Rockwell Collins anunciou hoje que faz parte da rede de fornecedores aproveitada pela Força Aérea dos EUA para seu programa de apoio aéreo leve (LAS) recentemente concedido no dia 28 de fevereiro, quando a Força Aérea dos EUA anunciou a seleção da Sierra Nevada Corporation para fornecer as aeronaves A-29 para uso pelo Corpo Aérea do Exército Nacional do Afeganistão e outros futuros clientes.

A aeronave Embraer A-29 Super Tucano será utilizada para a realização de treinamento de vôo, de reconhecimento aéreo e operações de apoio aéreo leve e é um elemento-chave do governo dos EUA na construção de esforços com o Afeganistão e outras nações parceiras.

“O programa reforça o nosso compromisso com a Embraer para fornecer um equipamento líder de mercado de navegação e comunicação para suas aeronaves”, disse Troy Brunk, vice-presidente e gerente geral de Soluções Aéreas da Rockwell Collins. “A Rockwell Collins tem uma longa história de fornecimento confiável, soluções de baixo custo para os nossos clientes, ficando dentro do prazo e no orçamento. Estamos ansiosos para continuar essa tradição neste programa.”

O A-29 Super Tucano será construído em Jacksonville, na Flórida, por trabalhadores norte-americanos e com peças fornecidas por empresas americanas. Mais de 88 por cento do Super Tucano é feito a partir de peças fornecidas por empresas norte-americanas, como a Rockwell Collins. O treinamento das aeronaves será fornecido em Clovis, Novo Mexico.

Enhanced by Zemanta
Anúncios

3 COMENTÁRIOS

  1. Taí um orgulho: os americanos, cheios de frufruzices materialmente xenófobas, usando um avião made in Brazil (ser montado lá, com peças de lá e pessoal “americanou” não faz a menor diferença: filho de brasileiros, no exterior, não vira alemão, indonésio ou Wasp por simplesmente nascer lá, por mais “nativo” que seja).

    Essa estrela da USAF vale muito, por mais (ainda mais, então) que vire Afghan Air Force depois. Ganharam a grife “ready to combat” que produto aeronáutico francês e alemão não têm (aquele Lakota não conta, não é para a mesma finalidade do ST)…

    E essa camuflagem, ou a falta dela na opinião de muitos, para mim, é bem bonita, discreta. Só perde em beleza para os ST “café-com-leite” da Força Aérea da Tunísia, ali sim, deleite lácteo… 🙂

  2. Fato: o A-29 mostrou seu valor para a USAF e para mais quem quiser ver.

Comments are closed.